Benvindos ao Blog da Família Luz

Queridos leitores amigos,

Nossas aventuras em um veículo de recreação (motor-casa) começaram em julho de 2006, nos apaixonamos por este estilo de vida, a família ficou mais unida e ao mesmo tempo livre. Já mudamos de equipamento várias vezes, os motorhomes (motor-casa) sempre foram chamados de SCOOBY, em homenagem ao personagem Scooby-doo. Já o trailer (treiler, em português) tem outro nome, que caracteriza muito bem nossa identidade estradeira:
Turiscar Estradeiro.
Recentemente, vendemos o trailer e compramos novamente um motorhome grande, um Mercedes-Benz 371.

Se quiserem ver fotos do nosso primeiro equipamento é só dar uma olhada no link do nosso primeiro blog:

http://patagoniademotorhome.nafoto.net (fotoblog)

http://patagoniademotorhome.zip.net (blog que descreve nossa viagem à patagonia argentina).

Na paz e no amor...na liberdade!

Atualmente, além de campistas, auxiliamos a venda de veículos de recreação (Motorhomes e Trailers usados). Saiba mais em nosso site: www.luizefrancinimotorhomes.com.br

Saudações Estradeiras!






segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Gatos viajando de motorhome

É possível sim acostumar gatos a viajar de motorhome. E a prova disso é que nossas gatinhas Cristal e Athena se comportaram muito bem durante toda a viagem. Gatos são muito inteligentes e logo aprendem que o motorhome também é a sua segunda casa. Além disso, são animais muito limpos e não necessitam sair  do motorhome. Athena e Cristal são especialistas em equilíbrio, andam tranquilamente pelo motorhome em movimento, brincam e dormem quando tem vontade. Já no caso da nossa cachorra Nina é um pouco mais complicado, pois ela não consegue dormir durante a viagem, fica tensa o tempo todo, só quer ficar no meu colo e ainda temos que fazer pequenos passeios em lugares não muito limpos para que ela possa fazer suas necessidades fisiológicas. Mas, cada caso é um caso particular, pois nós já tivemos uma gatinha chamada Charlote que, infelizmente, não podia entrar num carro que já começava a salivar e babar, ficava muito mal e até vomitava mesmo após tomar "Dramin".

sábado, 26 de novembro de 2011

Turismo de aventura em Socorro/SP

Hoje, no período da manhã, fomos até o Parque Ecológico Monjolinho http://www.parquedomonjolinho.com.br/ que faz parte do corredor turístico do Rio do Peixe.
Foi  muito divertido!!!
Algumas fotos:

Arvorismo
Tirolesa

Capivara
Saindo para o passeio de eco boat
Muito legal!

Rapel


Giro Master

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Viagem Socorro - SP (Encontro Grupo Pé na Estrada)

Saímos ontem de Piraquara com destino à Estância de Socorro/SP  http://www.estanciadesocorro.com.br/  para participar do encontro de Natal do Grupo`Pé na Estrada http://www.penaestrada.com.br/. Desta vez a Nina ficou com meus pais Antonio e Eva e foi a primeira viagem das gatas Athena e Cristal. A viagem foi ótima e as gatinhas se comportaram muito bem. A seguir, algumas fotos:




No começo da viagem ficamos um pouco inquietas








Cristal mordendo a alça da câmera fotográfica




Athena caminhando durante a viagem


Adoramos viajar no sofá


Portal de entrada da cidade
PONTOS TURÍSTICOS


Numa paisagem de muito verde e clima de montanha, a Estância de Socorro destaca-se por oferecer 6 opções turísticas: Turismo de Aventura, Turismo de Compras, Turismo de Águas Minerais, Turismo Ecológico, Turismo Rural e Turismo Histórico


Moda Shopping



Ficou linda com este chapéu!
Pra que servem os buracos do CROCS ?
Mostrando o nosso blog
Bate-papo


Horto Florestal





quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Raça Lhasa-apso

Amo todos os cães, mas tenho um carinho especial e antigo pela raça Lhasa-apso. Sua origem e o fato de ser uma ótima companhia me fascinam. Abaixo a história e características principais da raça:

HISTÓRIA DA RAÇA

No seu país de origem, pelo menos até a anexação à república popular chinesa, vivia nos mosteiros e os exemplares mais bonitos e valiosos, encontravam-se no “Potala”, o palácio do Dalai Lama, e nas casas de ministros e outras pessoas de posição. Contribuíram para formar a raça shih-tsu.
Lhasa Apso
Os exemplares do lhasa apso, naquele país, são considerados como pedras preciosas. O lhasa apso tanto pode ser uma companhia agradável como um guarda eficiente de casas, principalmente de apartamentos onde o espaço é menor. É um cão dócil, mas de grande coragem. Dotado de ouvido finíssimo, percebe bem os rumores leves e longínquos e dá o alarme com sua característica voz clara e aguda.
O lhasa apso é um cão muito antigo – alguns historiadores acreditam que a raça tenha pelo menos 500 anos –, e seu nome não deixa dúvidas quanto ao seu local de origem: o Tibet, cuja capital chama-se lhasa. Segundo alguns, o apso do nome da raça seria uma derivação da palavra tibetana apsoo, que significa ovelha, o que pode ser considerado uma referência à aparência e textura áspera de seu pelo. Outros estudiosos atribuem o "apso" de seu nome à sua função original: ser a sentinela do Palácio de Potala, e para justificar esta interpretação evocam o nome original da raça: "apso seng kye", que seria o equivalente a “cão de sentinela que ruge como um leão”. Durante toda a fase inicial da raça, ainda em seu país de origem, o lhasa era considerado um cão sagrado, e os budistas acreditavam ser uma encarnação de antigos lamas. Acompanhavam os monges onde quer que fossem e tinham como função zelar pelas propriedades dando o alerta ao menor sinal.a sua inteligência unida a um fina audição faz com que possua um certo sexto sentido.
Acreditava-se ainda, que os lhasas seriam capazes de prever avalanches nas montanhas. Jamais poderia ser vendido e somente era presenteado a altos dignitários e autoridades políticas. Ganhar um lhasa era um sinal de apreço extremo. Por este motivo a raça só alcançou o ocidente nos anos 30 de nosso século. Cão de companhia por excelência devido a seu tamanho, perspicácia e temperamento tranqüilo, adapta-se facilmente a qualquer ambiente. Alguns exemplares eram também encontrados nas cortes reais da china e do Japão. Do oriente os lhasas iniciaram sua expansão a partir da Inglaterra, onde se acredita que os primeiros exemplares tenham chegado em 1900, pelas mãos de oficiais do exército britânico, especialmente o Cel. Bailey, considerado o introdutor da raça no ocidente. Nos EUA, a raça chegou apenas em 1933, pelas mãos do próprio Dalai Lama. Já no Brasil, a raça só chegou em 1966.

Apresentando os cachorros


Nome: Nina          Raça: Lhasa-apso             Idade: 7 anos


Nomes: Thor e Apollo        Raça: Pastor Alemão      Idade: 9 e 7 meses


Nome: Pandora    Raça: Fox Paulistinha     Idade: 10 anos


Nome: Jade       Raça: Fox Paulistinha       Idade: 10 anos

Apresentando Cristal e Athena

A família Luz continua crescendo. Agora, além dos 5 cachorros, galinhas e coelhos, temos duas gatinhas tricolores de 2 meses. A Athena tem pelo curto e a Cristal, pelo longo. São umas fofuras, meigas, inteligentes e dengosas.

Adoram ficar nas janelas

Gostam de dormir na cestinha que fica na lavanderia, na parte mais alta.

A Nina fica por ali, mas não consegue alcançá-las.

Outro lugar bom de dormir é no alto do sofá.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Piraquara e seus encantos.

A apenas 22 km da capital, município oferece boas opções de trilhas para trekking e outros esportes. Cafés coloniais e restaurantes são atrativos extras.

Basta seguir pela Avenida Victor Ferreira do Amaral (que logo vira a Rodovia João Leo­­poldo Jacomel) para chegar a um verdadeiro reduto ecológico, a apenas 22 quilômetros de Curitiba. Quem só passou pelo centro de Piraquara ou, no máximo, foi até lá para aproveitar, em março, a festa do Carneiro no Rolete, mal sabe que o lugar possui um rico patrimônio cultural e ambiental.
A cidade, cujo nome em tupi significa “toca de peixe”, tem 93% do seu território como área de proteção ambiental. Um aglomerado de verde que inclui mananciais, montanhas, 1.260 nascentes, mais de 100 km de estradas rurais – para trekking, trilhas e outros esportes de aventura – e uma floresta com variada biodiversidade.

Conhecer a represa do Car­­valho, para ver como era feito o primeiro sistema de abastecimento de água de Curitiba em 1908, ou a Trilha Interpretativa da represa de Cayuguava, com cerca de 800 metros de extensão e um mirante com 15 metros de altura, são alguns dos muitos atrativos do chamado Caminho Trentino nos Mananciais da Serra.
O programa turístico, desenvolvido pela prefeitura da cidade, não é bem um caminho, com uma rota que tenha início, meio e fim. A proposta, na verdade, demarca alguns pontos turísticos interessantes do município, os quais podem ser visitados pelos turistas. A grande maioria dos passeios fica na área rural, ou seja, um fim de semana é mais indicado para quem gosta de natureza e está disposto a explorar muito verde.
Mas nem só represas, reservatórios e litros e mais litros d’ água compõem a visita. O próprio nome do caminho turístico já faz referência aos imigrantes da cidade – a única comunidade trentina (de Trento, Itália) do Paraná fica em Piraquara. Com isso, locais como a Colônia de Santa Maria do Novo Tirol, que registram a tradição e o artesanato desses imigrantes – com propriedades rurais e arquiteturas típicas, são passeios bem bacanas.
Outra visita que vale a pena é à Aldeia Indígena Araçá-i, que pode ser agendada com o Centro de Informações Turísticas da cidade. Quando se está no meio da tribo de 80 índios, visitando as casas feitas de pau-a-pique e ouvindo o canto das crianças, que dançam de pé no chão, fica difícil de acreditar que se está tão perto de Curitiba.
Culinária
A influência italiana também está bem presente em outro atrativo do local, a culinária. O Ca­­minho Trentino tem uma infinidade de cafés-coloniais. O Cheirinho de Mato merece destaque. Por R$ 18, você fica de frente para uma mesa com mais de 13 tipos de bolos e sobremesas. Outra opção é o Dona Laura Restaurante. Lá, além de café colonial (R$ 18), há almoço e jantar. O ossobuco com polenta (R$ 28) é o carro-chefe da casa.
Ainda na área gastronômica, há dois restaurantes que merecem uma visita. No meio da floresta, com uma estrutura de cerne, vidro temperado, bambu e eucalipto, o Paraíso das Trutas é uma espécie de “casa da árvore”. E, com tanto o que apreciar por lá, a comida fica até em segundo plano. O buffet livre, com bebidas incluídas, custa R$ 35 por pessoa.
Outra opção é o requintado Obra Prima, que tem em seu cardápio truta, carnes de caça e outros pratos (variam de R$ 19 a R$ 50). Pode-se conhecer o local de uma forma romântica: de litorina de luxo. O pacote de R$ 150 por pessoa, da Serra Verde Express, inclui a viagem de 45 minutos e jantar.
Serviço
Cheirinho de Mato. Rua Cel. João Batista Maceno. Reservas: (41) 9192-8651. Sábados e domingos, a partir das 14 horas. http://cheirinhodemato.blogspot.com/
Dona Laura. Rua Frei Nicodemos Grundoff, 35. Reservas: (41) 3673-2531. De segunda a sábado, a partir das 8 horas, e domingo, das 8 às 15 horas.
http://donalaurarestaurante.com.br/
Paraíso das Trutas. Rua dos Sabiás, s/n, Reservas: (41)3673-1893. Aberto aos domingos e nos sábados na hora do almoço.  http://www.paraisodastrutas.com.br/
Obra Prima Food Creations. Rua Antonio Meireles Sobrinho,06. Reservas: (41) 3673-2196. Aberto de terça a domingo, com jantar de quinta a domingo. Brunch aos domingos, de 11h30 às 16 horas. http://www.restauranteobraprima.com.br/
Chácara Santa Genoveva. Rua Wagner Luiz Boscardin, 117. Reservas: (41) 3673-3105. http://www.chacarasantagenoveva.com.br/

Centro de Informações Turísticas de Piraquara: (41) 3673-4442.

Fonte: Gazeta do Povo 01/04/2010 e wikipedia

Igreja de Bom Jesus dos Passos; em 1898 a Baronesa do Cerro Azul doou a imagem do padroeiro.

Antiga estação ferroviária.